Inseto picando o rosto de uma criança

DOENÇAS
transmitidas por insetos

Nesta série:
Doenças transmitidas por insetos — um problema crescente
Por que voltaram?
Existe solução?
Como Proteger-se?

DOENÇAS TRANSMITIDAS POR INSETOS
Um problema crescente

É NOITE num país da América Latina. A mãe, com carinho, coloca seu filhinho para dormir. No escuro, um inseto preto e lustroso, de uns dois centímetros de comprimento, entra em cena. É o barbeiro, que sai sorrateiramente de uma fenda no teto. Ele pousa de mansinho no rosto da criança adormecida, picando-lhe a pele macia. À medida que suga o sangue, deposita fezes infectadas de parasitas. Sem acordar, o menino coça o rosto, esfregando as fezes infectadas na lesão.

Barbeiro

Barbeiro

O resultado desse encontro é que a criança contrai a doença de Chagas. Em uma semana ou duas, o menino apresenta febre alta e o corpo inchado. Se ele sobreviver, os parasitas podem se alojar no corpo, invadindo o coração, o sistema nervoso e os tecidos internos. Talvez não apresente sintomas por 10 a 20 anos. Mas daí podem ocorrer lesões no trato digestivo, infecção cerebral e por fim a morte por falência cardíaca.

O relato fictício acima mostra como se pode contrair a doença de Chagas. Na América Latina, milhões talvez corram risco de receber esse “beijo da morte”.

Hoje, 1 em cada 6 pessoas está infectada com uma doença transmitida por insetos

A mosca-doméstica carrega nas patas agentes transmissores de doenças

Mosca num copo de leite

Insetos que seguem o homem

“A maior parte das doenças febris no homem é causada por microorganismos veiculados por insetos”, diz a Encyclopædia Britannica. Costuma-se usar o termo “inseto” não só para os insetos propriamente ditos — animais de três pares de patas, como mosca, pulga, mosquito, piolho e besouro — mas também para criaturas de oito patas, como ácaro e carrapato. Segundo a classificação científica, todos esses se enquadram na categoria mais abrangente dos artrópodes — a maior divisão do reino animal — que inclui pelo menos um milhão de espécies conhecidas.

A grande maioria dos insetos é inofensiva ao homem e alguns são muito úteis. Sem eles, muitas plantas e árvores que fornecem alimento ao homem e aos animais não seriam polinizadas nem dariam frutos. Há insetos que ajudam a reciclar o lixo. Um grande número se alimenta exclusivamente de plantas, ao passo que alguns comem outros insetos.

É claro que há insetos que incomodam o homem e os animais com uma picada dolorosa ou simplesmente pelo seu grande número. Alguns também danificam plantações. Mas os piores são os que causam doenças e morte. As doenças transmitidas por insetos “provocaram mais mortes desde o século 17 até a parte inicial do século 20 do que todas as outras causas somadas”, diz Duane Gubler, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, dos Estados Unidos.

Atualmente, cerca de 1 em cada 6 pessoas está infectada com uma doença transmitida por insetos. Além de causar sofrimento, essas doenças representam um grande ônus financeiro, sobretudo nos países em desenvolvimento, que são justamente os que menos dispõem de recursos. Mesmo um único surto pode ser oneroso. Consta que uma epidemia na parte ocidental da Índia, em 1994, custou bilhões de dólares à economia local e mundial. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), esses países só farão progresso econômico quando tais problemas de saúde estiveram sob controle.

Como os insetos causam doenças

Os insetos podem atuar como vetores — ou seja, agentes transmissores de doenças — de duas formas principais. Uma delas é a transmissão mecânica. Assim como as pessoas podem trazer para dentro de casa sujeira impregnada no sapato, “a mosca-doméstica pode carregar nas patas milhões de microorganismos que, dependendo da quantidade, causam doenças”, diz a Encyclopædia Britannica. Moscas que pousaram em fezes, por exemplo, contaminam alimentos e bebidas. Essa é uma forma de o homem contrair doenças debilitantes e mortíferas como a febre tifóide, a disenteria e até mesmo a cólera. As moscas também contribuem para a transmissão do tracoma — a principal causa de cegueira no mundo. O tracoma pode causar a cegueira por danificar a córnea, que é a parte anterior do olho localizada na frente da íris. No mundo todo, cerca de 500 milhões de pessoas sofrem desse flagelo.

Barata

A barata, que gosta da sujeira, também é suspeita de transmissão mecânica de doenças. Segundo especialistas, o recente surto de asma, principalmente em crianças, está relacionado com a alergia a baratas. Tome-se como exemplo o caso de Ashley, adolescente de 15 anos que passa muitas noites com dificuldades respiratórias por causa da asma. Na hora em que a médica vai auscultar o seu pulmão, uma barata cai da blusa da menina e sai correndo pela mesa de exames.

Vetores ativos

A outra forma de transmissão ocorre quando insetos hospedeiros de vírus, bactérias ou parasitas infectam as vítimas pela picada ou por outros meios. Apenas uma pequena porcentagem de insetos transmite doenças ao homem dessa forma. Por exemplo, embora haja milhares de espécies de mosquitos, apenas os do gênero Anopheles transmitem a malária — a doença contagiosa que mais mata no mundo, depois da tuberculose.

Mas há muitas outras doenças disseminadas por mosquitos. Um relatório da OMS diz: “O mosquito é o mais perigoso de todos os insetos vetores, pois é o transmissor da malária, da dengue e da febre amarela. Essas doenças, combinadas, matam todo ano milhões de pessoas e fazem adoecer outras centenas de milhões.” Pelo menos 40% da população mundial corre risco de contrair a malária, e cerca de 40% de contrair a dengue. Em muitos lugares, a pessoa pode contrair ambas as doenças.

É claro que os mosquitos não são os únicos insetos vetores. A mosca tsé-tsé transmite o protozoário causador da doença do sono, que aflige centenas de milhares de pessoas, obrigando comunidades inteiras a abandonar seus campos férteis. A mosca-negra, transmissora do parasita que provoca a cegueira do rio, privou da visão cerca de 400 mil africanos. O mosquito-pólvora pode abrigar o protozoário que causa a leishmaniose. Trata-se de um grupo de doenças incapacitantes, que hoje afligem milhões de pessoas de todas as idades ao redor do mundo, desfiguram a vítima e muitas vezes causam a morte. A pulga comum pode transmitir a solitária, a encefalite, a tularemia e até mesmo a peste, geralmente associada à Peste Negra que em apenas seis anos dizimou um terço ou mais da população da Europa na Idade Média.

Piolhos, ácaros e carrapatos transmitem diversas formas de tifo, além de outras doenças. Nas zonas temperadas, carrapatos são os agentes transmissores da potencialmente debilitante doença de Lyme — a doença mais comum transmitida por vetor nos Estados Unidos e na Europa. Um estudo sueco revelou que aves migratórias às vezes transportam carrapatos por milhares de quilômetros, podendo introduzir as doenças que carregam a novos lugares. ‘Depois dos mosquitos’, diz a enciclopédia Britannica, “os carrapatos são os artrópodes que mais transmitem doenças ao homem”. De fato, um único carrapato pode abrigar até três diferentes organismos patogênicos e transmitir todos eles em uma única picada!

 

 

Muitos insetos são hospedeiros de agentes causadores de doenças

Mosca-negra

A mosca-negra é portadora do patógeno da cegueira do rio


Mosquito

Mosquitos alojam patógenos da malária, da dengue e da febre amarela


Piolho

Piolhos podem transmitir tifo


Pulga

Pulgas podem causar encefalite e outras moléstias


Mosca tsé-tsé

As moscas tsé-tsé transmitem a doença do sono

 
   

Uma “trégua” nas doenças

Foi apenas em 1877 que se demonstrou cientificamente que insetos transmitem doenças. Desde então, tem-se feito campanhas maciças para controlar ou eliminar os insetos vetores. Em 1939, o inseticida DDT foi acrescentado ao arsenal, e na década de 60 as doenças veiculadas por insetos já não eram consideradas uma grande ameaça à saúde pública fora da África. Em vez de tentar controlar vetores, passou-se a dar mais atenção ao tratamento de casos emergenciais com drogas, e o interesse em estudar insetos e seus habitats arrefeceu. Descobriram-se também novos medicamentos, e parecia que a ciência era capaz de encontrar uma “bala mágica” para fulminar qualquer doença. O mundo estava tendo uma “trégua” nas doenças infecciosas. Mas essa trégua acabaria. O artigo seguinte mostra por quê: tela

 
 
Publicado em Despertai!  de 22 de maio de 2003  

Picture credits:

Kissing bug on boy's face (top): PAHO/WHO/P. ALMASY
Cockroach: Clemson University - USDA Cooperative Extension Slide Series, www.insectimages.org
Blackfly: WHO/TDR/LSTM
Mosquito: CDC/James D. Gathany
Louse: CDC/Dr. Dennis D. Juranek
Flea: CDC/Janice Carr
Tsetse fly: WHO/TDR/Fisher

Copyright © 2005 Watch Tower Bible and Tract Society of Pennsylvania. All rights reserved.